Radiografias

Por Dra. Denise Tokechi

As radiografias demonstram o formato e o alinhamento dos ossos da bacia e do quadril. São adquiridas várias imagens em posições diferentes, pois em cada uma se estuda um ângulo diferente do quadril.
Estas são as posições que podem ser solicitadas para o exame:

Radiografia de frente da bacia em ortostática (em pé) – Clique para ampliar

Radiografia de frente da bacia na posição deitada – Clique para ampliar

O que se procura nestas incidências? Veja a Figura.

Clique para ampliar

Existe uma cintura (seta) entre a cabeça e o colo femoral. Pode-se formar uma proeminência óssea, com perda do contorno habitual da cintura. Quando o quadril é dobrado, esta proeminência óssea impacta no acetábulo e acaba lesando estruturas como o lábio acetabular e a cartilagem articular.

 

 

 

 

Figura 4 – Clique para ampliar

O excesso de cobertura do acetábulo também pode aumentar o impacto entre o acetábulo e o fêmur. A parede anterior (linha amarela) mais proeminente que a posterior (linha vermelha) – (Figura 4) caracteriza um excesso de cobertura acetabular, também chamado de retroversão.

 

 

 

Figura 5 – Clique para ampliar

Outra situação de excesso de cobertura do acetábulo é quando o fundo do acetábulo (F) se insinua em direção a pelve (Figura 5).

 

Incidência Lauenstein da bacia

Clique para ampliar

 

Incidência Lequesne do quadril direito

Clique para ampliar

 

Incidência Ducroquet do quadril direito

Clique para ampliar

 

Incidência cross table

Clique para ampliar

 

Figura 10 – Clique para ampliar

A escanometria dos membros inferiores (MMII) (Figura 10) permite definir se há diferença de comprimento entre os membros inferiores, que possam eventualmente determinar sobrecarga mecânica de um lado.
Após a aquisição das imagens, elas são digitalizadas, com ajustes de brilho e contraste, realizadas mensurações e então documentadas.
Todas estas imagens são obtidas para estudar melhor o impacto entre o fêmur e o acetábulo, mas servem para analisar somente a parte óssea e se o espaço articular está bom.
Se o espaço articular começar a diminuir, caracteriza-se um quadro de artrose no quadril.
Eis alguns achados encontrados na osteoartrose:

Figura 11 – Clique para ampliar

Osteoartrose – caracteriza-se na radiografia como uma redução do espaço articular (setas) na porção superior do quadril, com esclerose das margens ósseas (Figura 11).

 

 

 

 

 

 

Figura 12 – Clique para ampliar

Osteoartrose avançada – há completa perda do espaço articular, deformidade, esclerose dos ossos e osteófitos marginais (setas) (Figura 12).
Se houver um quadro avançado de artrose no quadril, o tratamento proposto é a prótese.

 

 

 

 

Figura 13 – Clique para ampliar

A radiografia também ajuda no controle das próteses, para checar se o alinhamento entre o componente do acetábulo e o do fêmur está adequado, assim como se há sinais de soltura entre a prótese e o restante do osso (Figura 13).
Habitualmente a interface entre a prótese e o osso (setas brancas) não apresenta nenhuma área cinza escuro, de reabsorção óssea. Mas no outro caso, há extensa área em que o osso, junto da prótese no componente do acetábulo, foi reabsorvido (setas pretas), caracterizando soltura.

 

 

Figura 14 – Clique para ampliar

A cabeça do componente femoral da prótese deve ficar bem no meio do acetábulo. Se a distância superior (linha pontilhada) for menor que a inferior (linha contínua), deve-se suspeitar de um desgaste no polietileno da prótese (Figura 14).

 

 

 

 

Outras complicações de próteses:

Deslocamento com desarticulação do componente femoral da prótese

Clique para ampliar

 

Fragmentação do componente de cerâmica (setas) da cabeça da prótese femoral

Clique para ampliar

 

Dra. Denise Tokechi

Share This