Ressonância magnética

Dra. Denise Tokechi
ressonancia1

Figura 1 – Clique para ampliar

A ressonância magnética (RM) (Figura 1) é o método que não utiliza radiação ionizante. Permite obter imagens digitais de um segmento do corpo, devido à ressonância dos átomos de hidrogênio dos tecidos, quando submetidos a um alto campo magnético. Os equipamentos que permitem uma melhor avaliação anatômica são os de alto campo (no mínimo 1,0 Tesla) e de campo fechado (com formato em túnel). Atualmente a maioria dos equipamentos é de 1,5T todavia existem os de 3,0 T.

 

 

ressonancia2

Figura 2 – Clique para ampliar

Mesmo em equipamentos de alto campo, é necessário utilizar bobinas ou antenas (Figura 2) que são acopladas no segmento a ser examinado. Estas bobinas emitem ondas de radiofrequência e adquirem o sinal para a formação das imagens.

 

 

 

 

ressonancia3

Figura 3 – Clique para ampliar

A RM é o método de escolha na avaliação dos músculos, tendões, ligamentos, lábio acetabular e cartilagem. Habitualmente são adquiridas imagens em diferentes tipos de sequências, umas mais anatômicas (T1) e outras sensíveis a líquido ou edema (T2) (Figura 3).

 

 

 

 

ressonancia4

Figura 4 – Clique para ampliar

Se houver dúvida diagnóstica na RM (Figura 4), a artro-RM pode trazer maiores informações quanto a avaliação das estruturas dentro da articulação. Na artro-RM (Figura 5) distende-se a articulação com uma solução líquida contendo meio de contraste iodado não iônico, meio de contraste paramagnético (quelato de gadolínio) e anestésico.

 

 

 

ressonancia5

Figura 5 – Clique para ampliar

 

 

 

 

 

 

 

ressonancia6

Figura 6 – Clique para ampliar

A punção da articulação é orientada pelo radioscopia (RX) e a agulha é posicionada no local assinalado com um “x”. Um meio de contraste iodado (Figura 6) é utilizado para se certificar que o líquido está sendo injetado dentro da articulação e aparece radiopaco (branco).

O meio de contraste paramagnético (gadolínio) é que aparece na RM com alto sinal (branco).

O anestésico (bupivacaína ou Marcaína®) é utilizado para determinar se a dor melhora, após ser introduzido o anestésico dentro da articulação. Se a causa da dor for causada por estruturas fora da articulação, habitualmente a dor não melhora.

A punção da articulação também pode ser orientada pelo ultrassom ou pela tomografia computadorizada.

Sempre é realizada uma manobra de dobrar e rodar para dentro o quadril, antes e após a introdução intra-articular da solução do meio de contraste + anestésico, para definir a intensidade da dor. Se houver melhora da dor após a introdução intra-articular do anestésico, há indícios de que a dor tenha relação com alguma alteração numa estrutura dentro da articulação.

Após o exame de artro-RM, eventualmente pode-se sentir dor no trajeto da agulha, logo após passar o efeito do anestésico local. Um analgésico como paracetamol (Tylenol) pode ser utilizado.

A sensação de inchaço na articulação pode persistir por algumas horas. A própria membrana que reveste a articulação absorve a solução líquida, que depois é eliminada pela urina.

Recomenda-se não realizar nenhuma atividade física intensa no dia da realização do exame.

Quais são as contra-indicações do método:
a) pacientes portadores de marca-passo, neuroestimuladores ou estimuladores de crescimento;
b) pacientes com clipes de aneurisma cerebral de origem não especificada;
c) gestantes com menos de 12 semanas;
d) fixadores externos;
e) algumas próteses metálicas no ouvido.

Não são contra-indicações:
a) portadores de próteses metálicas (cardíacas ou ortopédicas)

Limitações:
a) pacientes claustrofóbicos;
b) pacientes renais crônicos, se houver necessidade de utilizar meio de contraste paramagnético por via intravenosa. Alguns dados laboratoriais devem ser checados antes da administração do meio de contraste.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrEmail this to someone
Share This